PRÓXIMOS NO DISTANCIAMENTO

por Marcos Paulo L. de Rezende


Todo marco histórico traz consigo uma rica e variada gama hermenêutica. Múltiplos e variáveis são os desdobramentos e as formas de recepção de um mesmo evento. Hoje, o COVID-19 é o fato mundial mais atual e mais discutido. Uma pandemia que fecha e abre caminhos ao assinar na História a travessia entre dois séculos, revelando ao novo tempo suas potencialidades e seus limites na chamada “desrotina do fazer”. Em se tratando de fatos históricos que marcaram séculos destacamos: a Primeira Guerra Mundial (1914-1918); a Gripe Espanhola (1918) e o Colapso da Bolsa de Valores (1929). Não há dúvidas de que todos esses eventos trouxeram inúmeros impactos à humanidade e, com eles, novas possibilidades de se repensar o ser humano e seu agir moral na sociedade. Contudo, da crise se descortinam novos horizontes. É imprescindível viver esse momento com seriedade e, por conseguinte, o imperativo “fique em casa” exige de nós um retorno mais consciente ao nosso lar e questiona o nosso “modo de fazer as coisas”. É possível sermos mais flexíveis, criativos e inovadores na ação e no cuidado com a nossa Casa Comum? Instaura-se uma nova temporalidade onde nos encontramos como estrangeiros em nosso próprio espaço, em nosso próprio tempo. A exatidão das nossas agendas é colocada em xeque, pois já não se pode mais ter tanta certeza sobre futuros eventos. Estamos na teia da vulnerabilidade! Portanto, é preciso silenciar-se para se ouvir e ouvir o outro; avaliar-se para projetar-se no futuro de forma mais consciente e consistente e, finalmente, descobrir em meio à nova temporalidade o melhor lugar de nós mesmos. A chamada ao isolamento não será humanizante e promissora se sua conotação não for marcada pelo “afastamento no amor”. Esse distanciamento temporário das pessoas queridas nos remete à narrativa judaica da criação (ex nihilo), ou seja, à separação de um Deus que nos ama. Deus é livre onipotência, e tudo aquilo que existe tem seu fundamento último na sua gratuidade. Deus cria o ser humano por amor, bem como as mediações pelas quais Ele se dá a conhecer, revelando-se na sua obra criada. Sem dúvidas, a criação não surge por si mesma, mas é colocada, livremente, por Deus na existência. Porque aprouve a Deus construir conosco uma relação de amor, Ele nos fez pessoas livres para amar, ou seja, Deus é relação e plena liberdade no amor. Deus, em seu agir, cria ao falar “Faça-se” (cf. Gn 1-2) e se afasta do ser criado sem deixar de ser próximo. Com Ele somos ensinados a também nos afastar, sem deixar de existir e, existindo, ser, sem deixar de amar. Vivendo a ausência da presença, não deixamos de ser presente e nos fazer presentes para quem amamos. Estamos próximos no distanciamento. Essa distância quando vivida e sentida no amor não é desértica, mas terra fértil e propícia para o germinar da saudade. Quase sempre a saudade é capaz de tornar o amor mais autêntico, pois ela purifica e apura, tornando mais consistente aquilo que se vive e se sente. Quando somos separados no amor, ou seja, quando usamos a nossa liberdade em nos permitir viver no contexto do amor que separa, nos tornamos mais fortes e somos perguntados pelo tempo acerca das nossas relações interpessoais e de vínculo afetivo ou conjugal: ao longo da vida, nós criamos laços ou nós de amizade? Em suma, é tempo de nos desarmarmos e deixar Deus e seu poder criador e recriador que sustenta o universo com aquilo que lhe é mais próprio: “o Amor”, pois Deus é Amor (cf. 1 Jo 4,8b), nos ensinar a arte de recriar uma nova e sempre viva forma de viver. É hora de reaprender a ser “normal”, mas dentro de uma normalidade humanizada que nos faça viver a vida com sabor de “mais ser”. Não tenhamos medo, tenhamos fé!


Marcos Paulo L. de Rezende

238 visualizações1 comentário

Basílica de São Geraldo

Site desenvolvido usando tecnologia Wix

Todos os direitos reservados.

  • YouTube
  • Instagram - White Circle
  • Facebook - White Circle