top of page

Significado da Semana Santa



Esta semana vai desde o Domingo de Ramos até o Domingo da Páscoa e, sem dúvida, é um dos maiores tesouros do ano litúrgico, pois nela se realizaram e agora se repetem os maiores acontecimentos da História da Salvação.


Domingo de Ramos

A Semana Santa tem início com o Domingo de Ramos, que representa a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém. Esta é a semana mais importante para a Igreja Católica.

Os ramos simbolizam o reconhecimento de Jesus como filho de Deus e nos lembram que também somos filhos de Deus e parte da Igreja, além de reforçar o compromisso de seguir a Cristo.


Segunda-feira Santa

Neste dia, proclama-se, durante a Missa, o Evangelho segundo São João. Seis dias antes da Páscoa, Jesus chega a Betânia para fazer a última visita aos amigos de toda a vida. “Ela guardava este perfume para a minha sepultura” (cf. João 12,7); Jesus já havia anunciado que Sua hora havia chegado.


Terça-feira Santa

A mensagem central deste dia passa pela Última Ceia. Cristo sente, na entrega, que faz a “glorificação de Deus”, ainda que encontre, no caminho, a covardia e o desamor. Jesus anuncia a traição de Judas e as fraquezas de Pedro. “Jesus insiste: ‘Agora é glorificado o Filho do homem e Deus é glorificado nele’”. A primeira leitura é o segundo canto do servo de Javé; nesse canto, descreve-se a missão de Jesus. Deus o destinou a ser “luz das nações, para que, a salvação alcance até os confins da terra”. O Salmo é o 70: “Minha boca cantará Teu auxílio.” É a oração de um abandonado, que mostra grande confiança no Senhor.


Quarta-feira Santa

Em muitas paróquias, especialmente no interior do Brasil, realiza-se a famosa “Procissão do Encontro” na Quarta-feira Santa. Os homens saem, de uma igreja ou local determinado, com a imagem de Nosso Senhor dos Passos; as mulheres saem de outro ponto com Nossa Senhora das Dores. Acontece, então, o doloroso encontro entre a Mãe e o Filho. O padre proclama o célebre “Sermão das Sete Palavras”, fazendo uma reflexão, que chama os fiéis à conversão e à penitência.


Quinta-feira Santa

Na Quinta-feira Santa inicia-se o ‘Tríduo Pascal’, onde celebramos a instituição do Sacramento da Eucaristia, seguida da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus. Nesta data, a Igreja recorda a última ceia de Jesus, quando jantou com os seus apóstolos antes de ser crucificado e morto.

A celebração da Missa de Lava-pés encerra o período Quaresmal, tempo de penitência, oração e conversão, que se inicia na Quarta-feira de Cinzas. O período faz memória aos 40 dias que Jesus passou no deserto.


Sexta-feira Santa

Na Sexta-feira Santa vivenciamos o silêncio, a meditação, o agradecimento e a contemplação de Jesus morto na cruz. Neste dia, nós lembramos do momento em Jesus foi crucificado e morto.

Na Igreja Católica, esta data é conhecida como Sexta-feira da Paixão. A palavra paixão vem do latim passio – onis, que significa: “passividade, sofrimento”. Para os cristãos, este dia é para recordar a morte de Cristo e refletir seu sofrimento.


Sábado Santo

Este é o segundo dia do Tríduo Pascal, que lembra o repouso de Jesus Cristo no túmulo após sua crucificação e morte. As Igrejas Católicas não colocam decoração durante todo o dia e quando iniciam a Vigília Pascal, as luzes da igreja permanecem apagadas, porque é nesta celebração em que é aceso o Círio Pascal.

Durante a Vigília, não é celebrado o sacrifício da Missa e não se recebe a comunhão, somente o Sacramento da Reconciliação, conhecido como a confissão. Esta é uma das datas mais importantes da Igreja Católica, porque ela representa a Ressurreição de Jesus e encerra a Semana Santa, com vida vencendo a morte.


Domingo da Ressurreição

A Páscoa marca a Ressurreição de Cristo, a vitória da vida sobre a morte. É o dia santo mais importante da religião cristã. Depois de morrer crucificado, o corpo de Jesus foi sepultado, ali permaneceu até a ressurreição, quando seu espírito e seu corpo foram reunificados. Do hebreu “Peseach”, Páscoa significa a passagem da escravidão para a liberdade. A presença de Jesus ressuscitado não é uma alucinação dos Apóstolos. Quando dizemos “Cristo vive” não estamos usando um modo de falar, como pensam alguns, para dizer que vive somente em nossa lembrança.

33 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page