Basílica de São Geraldo

Site desenvolvido usando tecnologia Wix

Todos os direitos reservados.

  • YouTube
  • Instagram - White Circle
  • Facebook - White Circle

CONHECENDO SÃO GERALDO MAJELA

SÃO GERALDO, ALFAIATE

 

 

Uma das características fortes de São Geraldo foi sua dedicação ao trabalho. Nunca fugiu de nenhuma atividade, mesmo que esta fosse penosa e sacrificante. Em tudo o que fazia, procurava realizar a vontade de Deus, dizia ele: “Não te submetas a teus gostos ou aos do mundo. Basta ter só Deus presente, e estar sempre nele, em tudo o que fazes. Na verdade, tudo o que se faz unicamente por amor de Deus, tudo é oração”.
São Geraldo começou a trabalhar muito novo pois, quando seu pai faleceu, ele tinha apenas doze anos de idade. Era o filho mais velho e se tornou o único homem da casa. Devido à necessidade da família, sua mãe, dona Benedita Galeta, o enviou à alfaiataria do senhor Martin Pannuto, dando continuidade à profissão de seu pai, o sr. Domingos Majela. 
Na vida de São Geraldo nada foi fácil. Nesta alfaiataria, ele foi muito maltratado pelo sócio do senhor Pannuto e instrutor dos aprendizes. Sua bondade  e sua simplicidade eram vistas  como estupidez e incompetência. No livro São Geraldo Majela, Pe. Braz Delfino, relata: “Para começar, as zombarias e insultos, depois vieram os puxões de orelhas, reguadas nos braços e nas costas, tapas no rosto e pontapés”.
São Geraldo suportava tudo isso com paciência, oferecendo a Deus seus sofrimentos. Trabalhou nesta alfaiataria por quatro anos, depois, montou a sua própria alfaiataria na casa de sua mãe. O negócio prosperou, mas não ajuntou dinheiro, pois do que recebia tirava o necessário para sua mãe e suas irmãs e o restante dava para os pobres. 
Certa vez, um pobre, da roça, chegou à sua alfaiataria, levando um pano muito simples pedindo-lhe para fazer uma calça. Depois de fazer as devidas medidas, percebe que o pano era curto, não daria para vestir, nem mesmo uma criança. Então, São Geraldo disse-lhe: “Seu pano é muito pouco, meu amigo, mas com a ajuda de Deus, vamos ver o que se pode fazer”. Silenciosamente, São Geraldo fez uma breve prece. Depois, estendeu o pano sobre a mesa e enquanto corria as mãos sobre o tecido, dizia: “Com a ajuda de Deus e de seu santo padroeiro, hei de fazer-lhe uma boa calça”. A veste ficou sob medida e ainda sobraram alguns retalhos para as bermudas dos pequerruchos do pobre camponês.
Que São Geraldo interceda por todos os alfaiates, e que aprendamos com ele a sermos caridosos com todos, mas de modo especial, com os mais necessitados.

 

 

Pe. Américo de Oliveira, C.SS.R.
Reitor da Basílica de São Geraldo
Curvelo/MG

Compartilhe no Facebook
Please reload

Últimas notícias

31/10/2019

Please reload