Basílica de São Geraldo

Site desenvolvido usando tecnologia Wix

Todos os direitos reservados.

  • YouTube
  • Instagram - White Circle
  • Facebook - White Circle

Memória agradecida: 100 anos de construção da Basílica

22/02/2018

LANÇAMENTL DA REVISTA
“Em outubro de 1911 saiu o primeiro número da Revista “O Santuário de São Geraldo”, tendo como Diretor e Redator o Pe. Severino Severens. Tinha como finalidade: Evangelizar, propagar a devoção e culto de São Geraldo e angariar donativos para a construção do Santuário”.


AQUISIÇÃO DO TERRENO
“De 1908 a 1913 os Padres, com grandes sacrifícios, auxiliados por donativos de benfeitores da Holanda e de todos os amigos de Minas e de outros Estados, conseguiram fundos para comprar as quatro propriedades, que se situavam no quarteirão compreendido entre a Praça dos Voluntários, as Ruas Diogo Feijó, Santo Antônio e a que desce da praça para a Rua Santo Antônio (hoje atual Rua Uberaba).”


A CONSTRUÇÃO
“No dia 23 de janeiro de 1912, começam a cercar o local e constroem um barracão para depósito do material da construção. No dia 22 de março de 1912, chegam (em carro de bois) as primeiras pedras para os alicerces e neste mesmo dia, sem solenidades, estava começada a construção da futura Basílica. 
Seu engenheiro, arquiteto e construtor foi um simples Irmão leigo, o Irmão Werenfrido Vogels, redentorista holandês. Não era diplomado. Tinha sempre como seu ‘braço direito’ o pedreiro espanhol, Cacemiro Rodrigues Paz. Na construção trabalharam quase todos os pedreiros da cidade e lugares vizinhos. A construção foi uma escola para eles. Pedreiros saíram construtores. E os ajudantes de pedreiro: hábeis pedreiros. O renomado arquiteto e construtor Irmão Gregório Mulders dirigiu toda a construção do alicerces.”


A PRIMEIRA MISSA
“Após quatro anos de iniciada a construção, às vésperas da Festa de São Geraldo (dia 15 de outubro de 1916), celebrou-se a primeira missa no interior do Santuário. Embora as obras ainda não estivessem concluídas, o Superior, Pe. Bernardo, com liçensa do arcebispo de Diamantina, Dom Joaquim, benzeu com benção simples o Santuário. Tirou a imagem de São Geraldo da Igrejinha do Rosário e colocou-a na capela-mor do Templo, já com abóboda pronta, onde ela se encontra até hoje.”

 


A história continua nas próximas edições. Acompanhe! 
 

Compartilhe no Facebook
Please reload

Últimas notícias

31/10/2019

Please reload